Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘balança’

Astrologia-e-Autoconhecimento-Centro

Tecnicamente, o Ascendente (Asc) representa a linha do horizonte que cruza a cintura do Zodíaco a Leste, no exacto momento em que nascemos. Como o dia tem 24 horas e o Zodíaco tem 12 signos, o signo do Ascendente muda de 2 em 2 horas. Esse é um dos motivos pelo qual é igualmente tão importante sabermos a hora exacta do nosso nascimento.

Movimentos_do_sol

A associação simbólica (astrológica) é que o Asc corresponde à energia que usamos diariamente para fazer “ascender” a nossa Consciência (Sol). Pois se ele representa a linha do horizonte que cruza o Zodiaco a Leste, o ponto cardeal onde nasce o Sol, é para fazer nascer o Sol em nós que acordamos todos os dias. A casa XII corresponde ao período final de gestação e o Asc é o momento em que saímos do útero materno para a Vida, o momento em que lutamos para nascer. Através das qualidades do signo e do seu regente, este ponto marca a forma como (literalmente) nascemos para a Vida, e como sentimos que a vida nos recebeu. Torna-se a nossa “primeira pele”, a energia que imprimimos em tudo o que iniciamos e projectamos sobre o ambiente, bem como a energia sobre a qual vamos construindo a nossa “máscara” à medida que vamos percepcionando o que esse mesmo ambiente nos devolve. O Asc fala das ferramentas que a nossa personalidade desenvolve e utiliza para que possamos consolidar a construção do nosso Ser. Podemos reduzir o conhecimento astrológico à mera descrição de traços de personalidade que condicionam os vários tipos de Asc a formas de expressão extremamente redutoras e tão frequentemente falíveis, ou podemos ampliar o seu entendimento e enquadrar a sua simbologia como um dos pontos fundamentais a compreender no processo de desenvolvimento da Alma, essencial no percurso de vida da Consciência porque, conforme vimos, tudo nasce a partir do Asc, ;

«Para a astrologia esotérica o Ascendente representa um indicador das intenções ou propósito imediato da Alma para esta encarnação. Ele detém o segredo do futuro e representa uma força que, se for corretamente usada, irá guiar o homem ao sucesso. O Ascendente representa o sattvic ou o aspecto de harmonia e através da sua energia podemos desenvolver uma correcta relação entre a Alma e a personalidade ao longo dessa encarnação. Ele aponta o caminho que permite reconhecer a força da Alma.»
(Esoteric Astrology, pag. 18, Alice Bailey)

E se existe um nascer do Sol (Consciência), existe um pôr-do-sol. Esse ponto cardeal corresponde ao Descendente (Dsc), tecnicamente situado a 180º. A energia do signo que está no Dsc é exactamente o oposto do nosso Asc. Então, por simbologia esse ponto corresponde a uma zona onde temos menor Consciência de nós próprios e onde vamos atrair as relações necessárias para que possamos desenvolver essa parte em nós.

Tenho por hábito dar este exemplo durante as minhas aulas; experimentem olhar para todas as partes do vosso corpo e vejam se assim conseguem tirar uma imagem exacta de vós próprios. Impossível ter essa leitura. Para conseguirmos ver o nosso corpo na totalidade precisamos de um espelho. O espelho vai reflectir a nossa imagem e isso permite que tenhamos a representação mental exacta da nossa forma, do nosso corpo, da nossa imagem física. Pois bem, o Dsc corresponde à Casa VII, uma casa que está associada à energia natural de Balança. Balança é um signo de espelhos, onde a relação que tenho com o(s) outro(s) espelha a relação que tenho comigo próprio. O Asc corresponde ao nosso corpo e o Dsc ao espelho que precisamos de usar para nos vermos melhor e fazermos os ajustes necessários ao desenvolvimento da nossa Consciência. O objectivo é que a nossa imagem vá ficando progressivamente mais nítida à medida que aprendemos com essa experiência. À medida que assim é, a energia do Asc fica mais completa e aquilo que dou e recebo das relações (Dsc) aproxima-se mais da verdadeira partilha do que de um complemento.

As nossas relações são uma oportunidade de desenvolvimento e por isso é fundamental assumir responsabilidade pela qualidade da energia que projectamos e atraímos, ao invés de culpar as nossas relações pelo que elas nos devolvem. Não se esqueçam de que são um “espelho”.

Aprofundamento sobre a simbologia do Asc/Dsc:

A relação entre o significado do Asc e o Sol (Leão / Casa V) parece ser evidente para todo o estudante de astrologia ou astrólogo. E em relação ao Dsc?  Para mim faz sentido relacioná-lo com Saturno e Úrano (Aquário / Casa XI).

Relação entre o Asc e o Sol

Os 12 signos do Zodíaco representam energias arquetípicas cujo significado está igualmente transferido para as 12 casas. Assim, o Asc corresponde à casa I e por isso está associado à energia do 1º signo do Zodíaco que corresponde ao arquétipo de Carneiro. Carneiro é igualmente o signo onde o Sol encontra a sua exaltação. Este posicionamento representa a Coragem para Sermos nós próprios, a capacidade de Lutarmos pelo nosso Propósito de Vida (a energia de Marte quando serve a Consciência – Sol). O Sol recebe do seu anfitrião (Marte em Carneiro) as suas melhores qualidades para que se possa expressar. Então, seguindo esta linha de raciocínio, é fácil de perceber porque é que o Asc serve o Sol. Para além de outros significadores interessantes como Carneiro e Leão / Casa I e Casa V fazerem parte da tríade de Fogo, ou seja, signos e casas que estão naturalmente a 120º de distância entre si, o que em astrologia se define como um Trígono.  Aí teremos a personalidade a servir o Espirito. E o Asc não tem igualmente relação com os restantes planetas do mapa natal? Evidente que sim, mas em última análise todo o mapa tem como propósito desenvolver a nossa Consciência, ou seja, o Sol, para o qual todas as funções representadas por esses mesmos planetas contribuem! Afinal, ele é o centro do Sistema Solar, o único astro com luz própria, o único corpo celeste emanador de Energia. Todos os restantes astros reflectem a sua Luz.

Relação entre o Dsc e Saturno/Úrano

E porque ainda somos seres divididos, aprendemos em reflexo e por devolução das nossas projecções. Por isso o Dsc vai reflectir a energia que complementa o nosso kit de ferramentas pessoais, onde ainda somos limitados, e que é essencialmente vivida através das nossas relações. Se nos complementa significa aquilo que ainda falta em nós, isso corresponde igualmente à sombra que o(s) outro(s) tão amorosamente nos devolve(m) – Vénus/Dsc – e que nós (tendencialmente) interpretamos como um ataque ou afronta à nossa persona (quando não gostamos do que vemos) – Marte/Asc. Encontrar esse equilibrio em nós é sermos capazes de desenvolver a Sabedoria para lidar com a Vida. E é aqui que pretendo estabelecer uma relação entre o arquétipo de Saturno com o signo da Balança e a Casa VII (Dsc). Aqui é Saturno quem encontra a sua exaltação em Balança. Para mim este posicionamento fala (entre outras coisas) de que a Sabedoria da Vida está na capacidade de compreender a nossa falta de equilíbrio interno, em estruturar a relação de compromisso entre a personalidade e a Alma, para viver e relacionar-mo-nos com a Vida em harmonia, entendendo que tudo o que projectamos é reflectido e assumir a responsabilidade de lidar com o que nos é devolvido de modo a restabelecer do desequilíbrio criado. E isso é viver em Paz com a Vida. Então, seguindo esta linha de raciocínio, podemos (à semelhança do que fizemos entre o Asc e o Sol) igualmente associar uma relação geométrica entre estes 2 arquétipos e que reforça o poder da exaltação de Saturno em Balança. Porque é que a Vénus serve Saturno (Dsc serve a Casa XI)? Para além de tudo o que foi explicado, Balança e Aquário / Casa VII e Casa XI fazem parte da tríade de Ar, ou seja, signos e casas que estão naturalmente a 120º de distância entre si. E temos novamente o Trígono. É o entendimento e a Maestria (Saturno) deste Equilíbrio (Vénus / Balança) que nos permite ser Livres (Úrano / Aquário). Bem, isto ainda dava para mais desenvolvimento, porque Úrano é regente esotérico de Balança e Hierárquico de Carneiro… Liberdade não é fazer o que nos dá na real gana, mas entender, esta Lei Universal tão simples, a Lei da Atracção (regida por Vénus). Encontrar o ponto de equilíbrio que nos coloca no centro da esfera e não na sua periferia onde a polarização acontece.

Analisando o eixo Asc/Dsc desta forma, parece que faz sentido encontrar uma relação directa entre o Asc e o Sol, e entre o Dsc e Saturno / Úrano.

Por sua vez, o Sol rege o signo de Leão, e Saturno / Úrano o signo de Aquário, signos que se encontram naturalmente em oposição e por isso complementares e que nos permitem desenvolver o nosso processo de Individuação. Encontrarmos esse Centro (Sol) que nos permite viver em equilíbrio é ser Livre (Úrano). Isto parece que “encarece” o valor daquilo que representa o eixo Asc/Dsc…

Resumindo para não baralhar mais:

Sim, é verdade que nem sempre existe uma relação fácil entre a energia do signo Asc e o signo referente ao posicionamento do Sol no mapa natal de cada um. O primeiro impacto que temos sobre o ambiente que nos rodeia, a forma como com ele nos relacionamos pode esconder muito daquilo que somos após um contacto mais prolongado. E por esse motivo, quão mais difícil for a nossa capacidade de integrar a energia do signo Ascendente, mais difícil será a nossa relação com o mundo cá fora, mais difícil será “manejar” as ferramentas de que dispomos para lidarmos com a vida, e por isso ele pode transformar-se numa máscara que esconde a nossa verdadeira Essência (Sol), sentirmos que por muitas lutas e batalhas que travemos conseguimos expressar muito pouco de nós mesmos. Nesse caso existe uma maior necessidade de ajuste e compromisso para que a energia siga a Consciência. Por isso o aprofundamento dessa relação necessita de uma análise detalhada do mapa natal.

Significado de cada signo ascendente. (a ser postado à medida que é possível)

 .

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

Venus em Aquario

Vénus, planeta regente dos signos de Touro e Balança, responsável por construir e preencher a nossa necessidade de valor próprio, autoestima e relação. Através dela aprendemos a desenvolver Consciência sobre o valor que tem a matéria, o suporte que ela representa para a manifestação do Espirito. Também aprendemos a conhecer partes de nós que estão na sombra e que o outro tão generosamente nos reflecte. Tudo para que possamos acrescentar Amor e Valor à nossa Vida!

E desde que a Vénus ingressou no signo de Aquário (a 5 de Março de 2014) que estamos a ser convidados a definir a qualidade da Liberdade presente na satisfação destas nossas necessidades Venusianas. Será exactamente um mês em que somos convidados a aprender o valor da Liberdade, da Igualdade e do direito à diferença.

Quanto do que possuímos nos traz essa Liberdade.

Quanto da nossa necessidade de segurança nos impede de ser Livres.

Quanto das nossas relações espelham essas dificuldades pessoais (sim, porque a culpa de não sermos o que gostaríamos de ser não é dos outros, eles apenas reflectem a nossa desresponsabilização no processo de Sermos).

Durante esta passagem os regentes desta Vénus em trânsito estão em signos onde a mesma está naturalmente em exilio… Mesmo o seu posicionamento actual é desconfortável para aquilo que ela representa relativamente ao arquétipo do Touro…

A 18 de março 2014 – Vénus em Aquário fez sextil a Úrano em Carneiro (seu dispositor em trânsito).
Acrescentado ao facto de que Úrano é regente esotérico do signo de Balança, esta ligação traz uma excelente oportunidade para vislumbrares o que precisa ser mudado na tua vida e tomares as iniciativas que te permitem relacionar de forma mais Livre e com respeito pela diferença do outro (ou pelo menos tomares Consciência do que isso significa).

No entanto, porque Úrano está no signo de Carneiro onde a Vénus está naturalmente em exilio, o que nos é proposto é uma espécie de mudança que de Harmonioso tem muito pouco e que talvez isso implique fazê-lo sem esperar que o(s) outro(s) te siga(m).

Aproveitar as oportunidades de mudança que libertam para que a 29 de março sejamos capazes de responder com responsabilidade às transformações daquilo que ainda nos limita.

A 29 de março 2014 – Vénus em Aquário faz quadratura a Saturno Retrogrado em Escorpião (seu dispositor em trânsito)
A Vénus circula por Aquário, mas Saturno obriga-nos a mergulhar numa dimensão que pouco tem de fresca e leve. Este posicionamento de Saturno em Escorpião não é igualmente “agradável” para esta Vénus enquanto regente de Touro, já que aquilo que as experiências que o primeiro propõe são a antítese do que o segundo pretende (Vénus está em exilio em Escorpião dificultando a sensação de prazer e paz na Vida). Bom, e enquanto regente de Balança também não facilita a necessidade de estar em Harmonia… Especialmente se as tuas relações já “passaram do prazo”…

Não, o objectivo não é fazer-nos sofrer, é ajudar-nos a entender e aprender que ainda existem espaços ocultos dentro de nós que não permitem o desejo de mudança, de novas relações e a actualização dos nossos valores. E se tudo isto estiver desajustado com a proposta do Aguadeiro, então as experiências propostas por Saturno em Escorpião podem ser mais intensas que seriam se já tivéssemos criado o espaço livre necessário para a mudança. O preço a pagar para que possamos atrair essa Liberdade é assumir a dura responsabilidade de saber o que deixar ir porque Amar (inclusive – e principalmente – a nós mesmos) não é possuir… Aprender a estruturar de forma responsável a reciclagem que precisamos produzir na nossa Vida para que possamos atrair esta leveza e Amor-próprio (“se eu não gostar de mim, quem gostará?…”).

Podes sentir nesta fase que não tens os recursos suficientes para fazer o que te apetece, ao teu belo prazer. Mas também é dentro dessa limitação que aprendes o verdadeiro Valor que a Vida tem e que o prazer está, talvez, na capacidade de transcender o medo de não teres o suficiente e que afinal até passas bem sem comprar, adquirir e/ou possuir aquele determinado objecto, pessoa ou relação. É que afinal, agora que entendeste isso, agora sim, és mais Livre (pelo menos um bocadinho…).

Qual o preço que tem a tua Liberdade? O que é que estás disposto a pagar para seres Livre? O que ainda te Limita? De que é que ainda tens medo e não te deixa seguir em frente? O que a Vida nos reserva para a frente é sempre melhor que o que fica para trás.

Não há Liberdade sem a devida compreensão dos Limites (e limitações). Não há Aquário sem Saturno… Úrano está a seguir ao “Senhor dos Anéis” no Sistema Solar. Por isso primeiro é preciso passar por Saturno. Entender o que nos limita e aprender a integrá-los, trabalhá-los e transformá-los em Sabedoria. Ao Amarmos (Vénus) com Sabedoria (Saturno), somos Livres (Úrano)!

E após esta frustração pessoal (sim porque é uma quadratura) começamos a entender que atraímos (um dom e capacidade com que a Vénus nos presenteia – a Lei da Atracção) recursos, pessoas e situações mais Livres. Afinal foram-se os anéis e ficaram os dedos!

A coisa ficará bloqueada se dentro de ti ainda achares que controlas a Vida… aí ficas com os anéis (de Saturno), mas sem os dedos…

Com Saturno Retrógrado, talvez tenhamos que voltar um pouco atrás no Tempo para, em retrospectiva, percebermos melhor porque nos sentimos (talvez) desvalorizados, frustrados, sufocados e mal-amados…

É verdade que esta passagem da Vénus por Aquário é apenas por 1 mês, mas fica o desafio deixado pelas suas dinâmicas 😉 A Vida está em constante movimento, cabe-nos a nós estar atentos para não deixar o comboio passar e aproveitar cada pedacinho da paisagem.

A casa do teu mapa natal que abre com Touro e Balança vão ser testadas assim como todos os assuntos ligados à temática da casa II e VII.

Boas Mudanças!

if you love something let it go

 .

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

peças de puzzle

Imaginemos o seguinte

As relações humanas são como que um puzzle, e cada um de nós corresponde a uma pequena peça desse puzzle. Como bem sabemos, nunca existem peças iguais (quanto mais podemos dizer que algumas são parecidas e ainda assim isso está dependente da nossa interpretação subjectiva sobre o outro). Agora, imaginemos que forçamos uma das peças (ou seja, uma pessoa) do puzzle que estamos a fazer (da relação que temos) a encaixar no espaço que não é dela. Ou vice-versa, sermos nós a tentar encaixar num espaço que não é o nosso. Só para conseguir montar o puzzle! Teriamos, ao fim de algum tempo, peças desencaixadas, tortas, magoadas e fora do sitio certo, o que produziria um puzzle sem sentido, com uma imagem muito mal definida e com maior probabilidade de se desmontar ao fim de pouco tempo (e como sabemos, tantas são as relações que assim se mantém por uma vida inteira).

Assim se passa quando nos relacionamos a partir da nossa necessidade de transformar o outro em algo que nos agradaria muito ou permitir-mo-nos ser “dominados” pelo outro de forma a encaixar no que ele ou ela pretende para sermos “amados”, apreciados e necessários. Depois de percebermos que a beleza está na diferença existente entre cada uma das peças do puzzle (e isso inclui apreciar a nossa própria beleza), aprendemos a aceitar que cada um ocupa o seu lugar, e que é essa consciência que nos permite estar ligados numa rede de harmonia e com capacidade de uma interação mais abrangente que forma, finalmente, um lindo puzzle (Balança trígono a Aquário – a beleza de sermos diferentes).

Todos, sem excepção, e obviamente uns mais que outros, temos desafios relacionais que nos fazem sentir desconfortáveis, zangados e em conflicto com o outro. E isso (porque as relações são um espelho) representa tão somente o reflexo do conflicto que existe em nós mesmos (Carneiro/Balança). Se a isto adicionarmos as nossas necessidades de segurança, que se não forem conscientizadas são no mínimo reprimidas, temos o julgamento egóico daquilo que consideramos ser o certo e o errado no comportamento humano para que as “relações deem certo” (Caranguejo/Capricórnio)!

E isto não é só porque Marte está em Balança, Úrano em Carneiro, Júpiter em Caranguejo e Plutão em Capricórnio.

 Mas já que estão, vale a pena pensar nisto?

 .

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

Republica“O pensamento e a ciência são republicanos, porque o génio criador vive de liberdade e só a República pode ser verdadeiramente livre […]. A República é, no Estado, liberdade […]; na indústria, produção; no trabalho, segurança; na nação, força e independência. Para todos, riqueza; para todos, igualdade; para todos, luz” Antero de Quental

A República Portuguesa preconizava ideais de Liberdade, uma mudança radical na sociedade e na sua estrutura de governo. A imagem da República Portuguesa foi inspirada no modelo genérico da Liberdade de Eugéne Delacroix, utilizado aquando da revolução francesa. No dia em que é proclamada a República em Portugal, Úrano estava em Capricórnio (5 de Outubro de 1910).

Actualmente, neste dia 5 de Outubro de 2013, é Plutão que está em Capricórnio. E em conflito com a Liberdade (quadratura a Úrano). Pergunte-mo-nos o que é que está em conflicto com a nossa Liberdade? Não a liberdade, mas a Liberdade!

Nos dias de hoje já não se trata somente de uma destituição governamental e de uma mudança da estrutura Social e Política, uma chuva ácida de partidos que corrói a bandeira e orgulho nacionais (Plutão em Capricórnio), mas sim uma mudança ao nível Individual (Úrano em Carneiro). Até porque a Sociedade é formada por Indivíduos. Para que seja visível uma reforma colectiva é preciso primeiro que esta comece no Individuo. Já não se trata de “Por favor, D. Sebastião, regressa de Alcácer-Quibir e vem nos governar!!”, Mas entender como cada um de nós se governa a si próprio. Com Úrano em Carneiro temos a Liberdade para começar tudo de novo, talvez com uma sensação que pouco ou nada do passado nos acompanha. Uma sensação de bagagem vazia. E simultaneamente a oportunidade de construirmos um futuro diferente e mais Livre. E ainda, talvez, um medo de começarmos um Caminho novo para o qual ainda não existem mapas nem estações de serviço. Uma Viagem em que apenas nos temos a nós como bagagem…

A nossa República foi proclamada a 5 de Outubro. Podemos dizer que a República é do Signo da Balança… Úrano, regente Esotérico da Balança, está actualmente em Carneiro, e Úrano rege Hierarquicamente o Carneiro.

Muito confuso?

Regente exotérico de um signo – energia que se expressa via personalidade.

Regente esotérico de um signo – energia que se expressa via Alma.

Regente hierárquico de um signo – energia que se expressa via Espírito.

Se isto se tratasse de um jogo estaríamos a falar do nível 1, do nível 2 e do nível 3. E a regra do jogo é que nunca se passa para o nível seguinte sem que o anterior tenha sido integrado. O prémio, no fim do Jogo, é a Liberdade! E assim como num jogo, em que perdemos muitas vidas, também retornamos as vezes que forem necessárias para que o objectivo seja cumprido. Aprender a Amar.

Signo da Balança… O signo da aprendizagem do Amor, a única energia que permite a Justiça, a Harmonia, o Equilibro, a Liberdade. A Rosa, o símbolo do Amor… Todas as Rosas têm espinhos. Não há Liberdade sem conseguirmos lidar com os Espinhos da nossa Rosa. Úrano, regente Esotérico da Balança, está actualmente em Carneiro, o signo oposto à Rosa… mas Úrano rege Hierarquicamente o Carneiro. Então é como se, para conseguirmos atingir a Rosa, primeiro temos que Saber passar pelos seus Espinhos. Mas se usarmos a via da força, a impulsividade, a raiva, a zanga (a energia do Carneiro vivido ao nível da personalidade) é provável que nos “amandemos” à Rosa sem pensar e fiquemos presos nos Espinhos, nos nossos Espinhos. E não vale a pena pensar que se os ignorarmos eles desaparecem…

Úrano em Carneiro é a união do Espírito com a Personalidade, é unir a Vontade com o impulso para a Acção, é unir a Mente Cósmica com o poder da Criação. Porque a Vida começa em Carneiro, e apenas o Espírito tem o poder da Criação.

Viva a Liberdade! Não será mais uma ovação, mas um estilo de Vida. Porque a única forma de comemorar a Liberdade é Ser-se a Liberdade (aceitando-se os espinhos e com ou sem feriado nacional 😉 ).

Implantação da RepúblicaComemoração da República

.

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

Saturno define os limites em função do nível de Consciência. Ele marca a experiência e as aprendizagens pelas quais devemos passar e confronta-nos com as consequências das nossas escolhas. Com o passar do tempo, Saturno torna-nos sábios, seres responsáveis pela encarnação. Nos tempos antigos os mestres usavam Chumbo (Saturno) para ser transformado em Ouro. Da mesma forma, na nossa Vida, é através das experiências que nos fazem sair da zona de conforto que descobrimos o melhor em nós, o nosso Ouro, a nossa Consciência. A Consciência não é algo que se lê em livros, é algo que se Vive. E é ao integrarmos a experiência que avançamos mais um anel nos limites de Saturno.

Em fins de Outubro de 2009 Saturno ingressou em Balança onde permaneceu até 5 de Outubro de 2012. Enquanto aqui esteve Saturno significou:

Responsabilidade pelos compromissos e escolhas que fazemos.

Responsabilidade pelas projeções equívocas que fazemos sobre os outros.

Responsabilidade pelas experiências que advêm dos relacionamentos. Tudo o que nos é devolvido em espelho pelo outro representa o nosso lado inconsciente, aquilo que em nós estava oculto. No jogo dos espelhos, a imagem será mais nítida quanto melhor for a capacidade do próprio aceitar o que o outro lhe devolve pois essa é a forma de ganhar consciência de si mesmo. Perceber que a relação com os outros reflete o próprio. Se ao contrário projetarmos, partimos espelhos. Amarás o teu próximo como a ti mesmo, logo, a qualidade do Amor nos relacionamentos define o Amor que o Individuo tem por si próprio. E se o Homem foi feito à imagem e semelhança do seu Criador, para encontrar Deus o Homem precisa de se reconhecer no espelho, e no espelho ele vê o seu semelhante.

 Purificação através do Amor pelo próximo.

Desenvolvimento da Sabedoria nos relacionamentos.

Equilíbrio das Responsabilidades, da Ambição, Construção da Justiça.

A Iniciação no processo da Consciência, porque Deus manifesta-se através das corretas relações Humanas (Mestre Djwhal Khul). Uma vez que Saturno rege o Antakarana (do Sânscrito – ponte do arco-íris) situado ao nível do chakra do Coração, ele torna a consciência cerebral do discípulo recetiva à orientação intuitiva e às impressões oriundas dos reinos espirituais superiores e da mente de Deus. Utiliza a substância mental para construir uma ponte entre a personalidade e a Alma através da energia do Amor. E o Homem ganha essa consciência através do relacionamento com o seu semelhante (progredindo de Vénus para Neptuno, da dualidade para a Unidade).

“Devemos exigir dos outros apenas aquilo que eles nos podem dar” (Saint Exupéry) caso contrário não estou a VER o outro, mas sim a projeção de mim próprio.

Em Escorpião enfrentamos o portal do 4º raio (o processo de Alquimia contém em si 4 fases), que representa a Harmonia através do Conflito, onde a personalidade enfrenta a batalha com as suas ilusões (Maya). A batalha será tanto mais intensa quanto mais visceral e instintiva for a nossa ligação aos “objetos” exteriores de segurança. Ao ingressar no signo de Escorpião, Saturno leva-nos a uma experiência profunda. Traz-nos a privação da satisfação emocional que está polarizada com a obtenção daquilo que desejamos, quando aquilo que desejamos já não contribui para a nossa evolução. É um mergulhar na Sombra, naquilo que está oculto da Consciência.

Então, com Saturno em Escorpião devemos perguntar-nos:

O que é que temos que perder, abdicar, largar?

O que é que tem que circular nas nossas vidas para que se possa criar espaço para construir algo novo? 

O medo de perder poder poderá, numa primeira fase, exacerbar os conflitos pessoais e o sentimento de opressão social e politica. Mas não são apenas as altas estruturas de poder organizado que precisam de ser transformadas. No fundo os modelos de autoridade social e política refletem os modelos que existem dentro de nós (porque a sociedade é feita por indivíduos). Medo de perdermos o pai politico, aquele que nos garantia a segurança e que nos trazia o conforto de sermos “geridos” por alguém exterior a nós mesmos.

Depois de assumirmos a nossa responsabilidade nas relações (Saturno em Balança) é altura de sermos responsáveis pela transformação dos reflexos, distorções e espelhos partidos que criámos enquanto indivíduos.

Saturno, conhecido como o Senhor do Umbral, aquele que nos coloca no processo de purificação (purgação) pede-nos:

Responsabilidade pelos nossos medos e sombras.

Morte e transformação das velhas estruturas de poder e segurança, dos velhos modelos de autoridade.

Redefinição dos limites em relação à forma como usamos o poder (usá-lo com Sabedoria).

Curar o passado, a sociedade.

Redefinição do conceito de Sucesso.

Saturno (o Chumbo) em Escorpião (o processo de transformação) é a oportunidade de nos transformarmos em Alquimistas. É a União com o Espírito, a transformação em corpos de Luz, a descoberta do Ouro Interno (o Sol). A transformação de algo mais denso num material mais refinado, subtil e precioso. Mas para obtermos a Pedra Filosofal, a Sabedoria, é preciso enfrentar os esqueletos no armário, aquilo que nem às paredes confesso, as estruturas que construímos e que nos traziam “segurança”, as camadas e camadas que depositámos sobre os nossos corpos (e vida) e que nos tornaram opacos, densos e pesados.  Senti-mo-nos Velhos ou Sábios? Cansados ou Experientes?

A receção mútua entre Saturno em Escorpião e Plutão em Capricórnio torna o processo mais intenso e inevitável. Intensificar-se-á o desagrado relativamente à estrutura social vigente e a podridão social e governamental será exposta. A resistência à mudança (com o aumento do uso do poder para evitar o inevitável) vai provavelmente aumentar o conflito e a insatisfação geral. A transformação de uma estrutura tão pesada leva o seu Tempo!

Se Capricórnio é o portal dos Deuses, Caranguejo é o portal do Homem através do qual a Alma desce à Terra (Alice Bailey). Ao mergulhar no Caranguejo o Individuo volta às fundações, por onde a Alma encarnou (por isso a Lua simboliza o vazio a ser preenchido pela Alma). Deveremos colocar a seguinte questão:

Que montanha foi essa que escalámos e com a qual já não nos identificamos?

É o tempo em que caímos da montanha abaixo. Neptuno rege esotericamente o Caranguejo, o que significa que é preciso transcender as necessidades egocêntricas (as que vêm do umbigo) e estarmos conscientes daquilo que é verdadeiramente nutridor. Ao dissolvermos essas barreiras pessoais, os objetivos e a montanha que escalamos é fundada (Caranguejo) em princípios Universais, Amor Universal. Por isso, depois de bem entendida a ligação entre a terra e o céu, a Alma pode ascender novamente através do Capricórnio onde está preparada para servir o coletivo e formar uma sociedade justa.

A reestruturação da sociedade (Plutão em Capricórnio) deverá ser fundada em princípios de Justiça, de Amor, de Compaixão (Saturno trígono a Neptuno em Peixes). O que assim não for virá à superfície (o lixo politico e social que temos vindo a assistir) para ser denunciado, visível, e integrado na consciência pessoal e social (Plutão e Saturno em receção mútua). Baseado nessa regeneração e integração, estamos preparados para iniciar algo novo, com novos objetivos, pioneiros (Úrano em Carneiro) e devotos a uma causa Humanitária onde cada individuo é Livre e Consciente do seu semelhante.

Estes são tempos bastante exigentes já que existem fortes energias no signo de Escorpião que puxam a Humanidade para a transformação: Saturno em Escorpião (de Outubro de 2012 a Setembro de 2015), Eclipse Solar total no grau 21 de Escorpião (13 de Novembro de 2012) e o Nódulo Norte da Lua também a passar em Escorpião (de 31 de Agosto de 2012 até Fevereiro de 2014).

Para quem tem energias em Touro, Leão, Escorpião e/ou Aquário sentirá com maior intensidade esta temática ligada aos trânsitos de Saturno em Escorpião.

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

“O nativo de Carneiro quer ser sempre o primeiro, é egoísta, não se compromete com ninguém e é, muito dificilmente, uma pessoa com quem se possa contar!”

Calma, leiam até ao fim (principalmente os “Carneiros” que, curiosamente, foi o primeiro signo de que me lembrei. A energia tem destas coisas… 🙂 ).

O que são os Signos?

O mais óbvio e indiscutível é que o Signo Solar de alguém corresponde ao posicionamento do Sol no Zodíaco no dia e hora de nascimento. Mas aquilo que ele representa são os Dons de Deus (ou outro nome que queiram dar, como Criador ou Universo)! Energias espirituais (12), braços Universais cujas essências tocam toda a nossa vida. A sombra de um Signo (conhecido como os seus defeitos) é a ausência da sua essência, é a dificuldade em sintonizar-mo-nos com a sua vibração energética. Viver de forma desequilibrada o Signo Solar (ou qualquer outro Signo do Zodíaco)  é viver na periferia do grande Círculo da Vida e a visão na periferia produz distorções, más interpretações e equívocos. Por isso o Sol deve integrar a Terra que está sempre no signo oposto (porque a astrologia é geocêntrica  onde está o Sol no Zodíaco está a Terra no signo imediatamente oposto). É ao integrar o signo oposto que podemos estar centrados. Ao efetuarmos isso passamos a ter 6 braços Universais porque as energias são complementares. Assim, o Carneiro, para ser vivido na sua essência precisa integrar a Balança onde tenho que ter o outro em consideração.

O que é o Sol?

Potencial de Consciência. Consciência relativamente ao Dom que devo integrar nesta vida. Eu vou sendo esse Dom à medida que aprendo com as experiências da vida.

É claro que as nossas personalidades são coloridas de sombra e luz, mas a meta do Signo não é descrever personalidades, mas sim a Consciência a atingir, a Identidade espiritual (Sol representa o Espírito no Zodíaco). De que forma criamos a nossa vida (Sol representa a Criatividade no Zodíaco). Alcançar a meta Solar é a jornada do Herói, aquele que, apesar de todas as formas e limitações, parte à procura da sua Essência, da sua Identidade. Quem Sou eu? E durante toda a Vida esta questão obriga-nos a avançar mais e mais, até chegarmos à meta (um bocadinho parecido com o rally paper, mas Muito mais elaborado :-)). À medida que vamos integrando as experiências da vida, vamos igualmente adquirindo Iluminação, uma espécie de Luz eterna, inesgotável e independente de estimulação exterior. Não estamos dependentes de reconhecimento exterior quando descobrimos a Divindade em nós (e não confundir com o “síndrome de rei” porque esse depende do exterior para “ser”). Esse é o verdadeiro brilho do Sol, essa é a verdadeira Consciência, a verdadeira Vitalidade.

Então, seremos o que o nosso nível de Consciência permitir, mas os Dons de Deus transcendem a nossa limitação de apenas «ser o nativo», os signos representam o nosso «Ser (Espirito)».

Por isso quanto mais Conscientes mais cuidadosos seremos na aplicação de afirmações redutoras, limitadoras e em nada reveladoras dos Dons que temos a alcançar.

O meu Signo Solar é…o meu Dom é…

Carneiro: Abrir novas oportunidades de Consciência, ser pioneiro. A Identidade é descoberta a partir das ações, das novas iniciativas. É um guerreiro do Espírito, tem o Dom da Coragem, de abrir novos caminhos de Luz. Uma das sombras é focar-se apenas (e demasiado) nos seus objectivos e metas pessoais, ser guiado apenas pelo entusiasmo e glórias da conquista.

Touro: Adquirir uma boa relação com a matéria para que esta possa ser o suporte necessário para a materialização da Consciência. Uma das sombras é Identificar-se com as formas, com aquilo que deseja, com o mundo dos sentidos, e perder vitalidade na sua acumulação como um meio de ganhar uma (falsa) estabilidade.

Gémeos: Desenvolver a Identidade através da mente, do pensamento, da aprendizagem, da comunicação. A meta é integrar a dualidade mental e produzir Consciência através do dom da comunicação, iluminar a mente. Uma das sombras é perder-se na quantidade de informação sem conseguir filtrar e escolher.

Caranguejo: Descobrir a sua essência sem perder consciência das suas fundações e origens. Capacidade de gerar coesão entre as Almas e de expandir a sua Consciência Familiar através da ligação emocional.Uma das sombras é a dificuldade em criar uma Identidade separada da familia sendo mais um elemento da “tribo”.

Leão: Capacidade Criativa, de desenvolvimento da Consciência Individual. Ser um indivíduo separado e autêntico, uma unidade de Luz, bondade e generosidade. Traz a estabilidade de se Ser quem é ao sentimento de ligação Familiar apreendido em Caranguejo. Uma das sombras é identificar-se excessivamente com aquilo que cria “eclipsando” os outros para obter amor e reconhecimento.

Virgem: Desenvolver ferramentas de aplicação prática do conhecimento para que, com estas, consiga ser útil e servir os outros trazendo-lhes Consciência. Uma das sombras é Identificar-se demasiado com o detalhe e perder noção do plano maior.

Balança: Desenvolver Consciência a partir do entendimento entre os opostos. Toma Consciência da imperfeição individual através do reflexo obtido na relação com os outros. A meta é conseguir alcançar a harmonia e entender a aprendizagem do Amor. Para poder ser um mediador entre os opostos precisa encontrar o seu centro. Uma das sombras é identificar-se com um dos lados da balança, e daí perder o equilíbrio que leva à indecisão.

Escorpião: Ganhar consciência através de contínuos processos de perda emocional. As crises trazem o dom da cura através do conflito emocional, e permitem alcançar intensas e profundas transformações (suas e dos outros). Uma das sombras é a obcessão e a consequente perda de vitalidade na ilusão que detém o controle da Vida.

Sagitário: Desenvolver a mente Superior e através da Intuição superar os limites da personalidade e encontrar o Caminho. Encontrar a expansão espiritual e levá-la aos outros, sem se esquecer de cultivar o Dom do Silêncio. Uma das sombras é Identificar-se de forma fanática com os princípios filosóficos, leis e conceitos (o que o separa dos seus irmãos).

Capricórnio: Consciência social e de responsabilidade colectiva. Através do trabalho, do dever e da responsabilidade, desenvolver uma estrutura social consciente. Uma das sombras é usar os poderes sociais para benefícios pessoais, bem como sentir-se limitado pela rigidez das estruturas que cria ao longo da Vida.

Aquário: Capacidade de ver o outro como um igual, contribuindo para o desenvolvimento e Individuação da Humanidade. Consciência de ligação mundial. Uma das sombras é a dificuldade em aceitar os limites da sociedade afirmando-se pela rebeldia e excesso de idealismo onde não é tomada em consideração a Individualidade de cada um.

Peixes: Desenvolver uma Consciência do Plano Maior, de Amor Incondicional e Compaixão. Diluir o sentido de separatividade sem perder Identidade. Uma das sombras é a dificuldade em definir limites, em confundir o sonho com a realidade e em lidar com as questões práticas da Vida.

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Read Full Post »

%d bloggers like this: