Feeds:
Artigos
Comentários

Posts Tagged ‘fevereiro 2017’

pisces-new-moon1

Eclipse Solar | 8º12’ de Peixes | 26 fevereiro 2017

Confesso que sinto com frequência uma  certa dificuldade em explicar a simbologia do signo de Peixes, e sinto também que nem sempre é de fácil compreensão. Esta espécie de resistência reflecte a forma particular como devemos de preparar a nossa Consciência, ou talvez melhor ainda, as “melhorias” e “refinamentos” a que tivemos que submeter o nosso ser, para podermos compreender a dimensão deste arquétipo. Chega a ser um contracenso queremos dizer algo sobre aquele que é tão bem conhecido pelo signo do Silêncio.

Talvez seja mais útil lermos tudo o que possa ser escrito sobre o signo de Peixes como uma forma de acordar em nós a necessidade de viver esse Silêncio. A compreensão advém da experiência, e a mente não possui o vocabulário certo e completo para o definir.

Ao longo das análises do ciclo de lunação (e mesmo dos relatórios astrológicos mensais), procuro relembrar que nenhum destes acontecimentos está isolado na sua interpretação. Apesar de se tratar de uma Lua Nova, tudo o que foi desenvolvido nos ciclos anteriores influencia e tem importância nas manifestações e processos desenvolvidos ao longo deste novo ciclo. E todos os ciclos vividos desde Carneiro até Aquário são como pequenos rios que, eventualmente, desaguam no mar. Literalmente e simbolicamente, Peixes é o signo do grande oceano. Tudo o que somos, vivemos e tomámos consciência desagua no mar e é aí que todas as formas se dissolvem e se misturam. O processo de Libertação, que corresponde à desidentificação com essas “formas de ser” realizado até ao signo de Aquário, permite a purificação das “águas” internas (os nossos sentimos e desejos), e é isso que define a qualidade das águas dos pequenos rios. Durante este processo de nos Libertarmos das nossas ilusões existenciais tornamo-nos mais “vazios”, menos tóxicos, mais Silenciosos.  A partir deste ponto de desenvolvimento conseguimos contemplar a vida e a nós mesmos em completo desapego. Sem esta Consciência de desapego este “mergulho” pode ser aflitivo, porque perdemos a capacidade para objectivar as correntes psiquicas em que nos movimentamos, apegamo-nos aos sonhos de como iremos escapar de tudo o que nos causa dor e sofrimento e alimentamos a ilusão de que as formas de ideal que criámos são de facto a realidade.

«Porque a Consciência está em conseguirmos Ser sem apegos ou identificações pessoais a qualquer forma de expressão, (…) temos a oportunidade para ver como crescemos individualmente e como ainda precisamos de reflectir (qualidade essencial de uma lua cheia) acerca dos sentimentos de orgulho que ainda eclipsam a centelha divina que existe em cada um de nós, e funcionam como obstáculo à nossa Liberdade. Desejavelmente, este processo (…) pretende que o contrário seja a realidade, que se eclipsem todas as formas de “não Ser” (…). Dentro da Consciência da mudança eclipsam—se formas de vida às quais estávamos ligados e com as quais mantínhamos uma identificação muito próxima. (…) Esta Lua Cheia em Leão (com eclipse lunar penumbral) é sem dúvida mais um culminar no desenvolvimento da nossa Consciência, em que avaliamos “o que somos e não somos” porque no fundo Essa é que é a Questão.» (Lua Cheia em Leão, http://www.ascendentt.wordpress.com)

“Desaguar” em Peixes implica sacrificar de boa-vontade todas as formas de ser, sem ter medo de não ser. O medo impede e bloqueia a mais elevada expressão deste signo, apenas possível após termos conseguido o Silêncio, que permite a compaixão, o perdão, a expressão sem esforço do Amor altruístico. O que pretendemos silenciar são todas as formas de pensar e sentir que criam apego, e estão na origem da separatividade. O medo de “não ser” é vulgarmente conhecido como instinto de sobrevivência. Significa remar contra a maré, quando aquilo que devíamos de fazer seria apenas seguir a corrente e deixarmo-nos navegar (Peixes é signo Yin, uma energia de receptividade). Tudo o que se escreve na areia é apagado pelo mar. Tudo o que “somos” são senão castelos na areia…

«Quando o homem se chama a si mesmo de indiano ou muçulmano, cristão ou europeu, ou outra coisa qualquer, está a ser violento. Conseguem perceber porquê? Porque ao fazê-lo está a separar-se do resto do mundo. Quando o homem se separa pelas suas crenças, nacionalidade, tradição, isso gera violência. Por isso o homem que procura entender o que é a violência sabe que não pertence a nenhum país, religião, ou partido político. Ele preocupa-se com a compreensão da humanidade como um todo.» Jiddu Krishnamurti

Que intenções podemos semear nesta Lua Nova em Peixes?

A energia deste ciclo pretende eclipsar com as ilusões que temos acerca do que somos e abraçarmos a vida na sua totalidade. Sintam-se sem ilusões e vitimizações, totalmente disponíveis para que, em Silêncio, possam contemplar mais do que emitir opiniões e entreguem-se de boa-vontade ao que o “mar” pretende apagar. Sintam-se abençoados pela vida, despidos de falsas expectativas ou da necessidade de obter qualquer tipo de recompensa pelo que julgam merecer. Afinal ainda sofremos por acreditarmos em todas essas ilusões. Inspirem-se a cada inspiração por reconhecerem que o milagre acontece após cada expiração. Semeiem o Vazio interno, o espaço onde Tudo acontece, porque o milagre da vida é a própria vida, desprovida de formas ou pré-conceitos. Com esta semente estamos disponíveis para nos sentirmos com o resto do mundo e a ilusão das diferenças que nos colocam em conflicto serão dissolvidas. Germina no lugar do Silêncio a semente da Paz.

A conjunção entre esta Lua Nova, com eclipse solar, e Neptuno faz com que a energia manifesta seja muito forte do ponto de vista emocional e psíquico. Se considerarmos a Humanidade no ponto em que se encontra actualmente, extremamente apegada e devota a tantas formas de ser, a semente deste novo ciclo pode ser uma de muita dor e sofrimento.

Mercúrio rege Virgem, signo oposto e complementar ao signo onde ocorre esta lua nova, ingressa em Peixes no dia 25 de fevereiro, signo onde encontra o seu exilio. Isto sugere, ao nível da personalidade, uma maior dificuldade em objectivar e analisar com clareza a nossa realidade e promove uma maior confusão na comunicação e interpretação das ideias e pensamentos. Mente tóxica e alimentada por sentimentos separatistas. Ao nível espiritual (quando os processos de aperfeiçoamento individual são reais), este pode ser um ciclo de profunda inspiração, meditativo e contemplativo, em que colocamos a energia mental no sentido de trabalhar para criar o Silêncio em nós.

«O Silêncio pode ser difícil e trabalhoso, é algo com o qual não se deve brincar. Não é algo que pode ser experienciado através da leitura de um livro, ou por ouvir alguém falar sobre, ou por estar junto a alguém, ou por se isolar num mosteiro. Receio que nenhum destes possa fazer-vos perceber o que significa o Silêncio. Este Silêncio exige um trabalho psicológico intenso. Implica que o homem tem que estar muito consciente do seu orgulho, dos seus medos, das suas ansiedades, do seu sentimento de culpa. E apenas após ter morrido para tudo isso é que surge a beleza do Silêncio.» Jiddu Krishnamurti

(Para aprofundamento da simbologia desta lua nova, recomendo a leitura de “Carta dos Deuses, parte 1 – Neptuno em Peixes“)

Bom inicio de ciclo

*

© Ana Paula Pestana, All Rights Reserved | ap_pestana@hotmail.com

Anúncios

Read Full Post »

%d bloggers like this: